bèrro sucinto via e-mail (feed):

quarta-feira, 31 de agosto de 2011

mesmo quando não há sons, mesmo quando não há palavras

Às vezes quando tentamos explicar acontecimentos bons, 
o som da palavra já não sai da boca. 
E quando tentamos expressar em palavras escritas,
as letras não se encontram e não encontramos as letras.
Nessas vezes, faltam-se os sons, as falas, as palavras.
Não há sons que cantem o tamanho verdadeiro, 
não há palavras que expressem o verdadeiro significado.

Alberto Pereira & Sorraine de Castro

6 comentários:

Silvia disse...

Dica: não ocorre enjambement entre estrofes, somente entre frases e/ou versos.
Aconselha-se, pois, a tornar estrofe única.

Alberto Pereira disse...

Olá Silvia, obrigado pela dica!
Sinalizei desta forma apenas para indicar que fiz a primeira parte até aquele último verso terminado em vírgula. Em seguida a Sorraine terminou escrevendo os outros versos.

Larissa de Oliveira disse...

Lindo, amigos!
Perfeita combinação.
=)
#Curti muito.
bj

Alberto Pereira disse...

Obrigado Larissa! Foi nossa primeirona juntos. Bjs

Sorraine disse...

Obrigada, Lari queridona!!!
Também achei perfeito ;)
Que venham outras e outras...

Larissa de Oliveira disse...

Aguardando o próximo poema parceria do casal. =D