bèrro sucinto via e-mail (feed):

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

coito do bicho homem

São bichos mal inventados.
Nascem em dois moldes básicos;
um com tubo pra fora, outro com tubo guardado.
Pontos como coloração e proporção
podem vir alterados.

Os dois modelos diferem-se,
e aparentemente são incompatíveis.
Ao amadurecem mais
efetuam contratos verbais
e grudam-se pelos canais,
canais esses de alimentação.

Caso estejam de acordo,
às vezes forçado ou por gozo,
enroscam o bocal do alimento
na saída de dejetos do outro.

Logo depois trepam-se
E o tubo encontra o canal
às vezes em pares de tubo igual,
ou em pares de tubo oposto.

Desgastados do ritual
urram no instante final
e do esforço a resultante
é parar pra começar de novo.  

sobre a internet

Para mim, a graça da Internet
está exatamente no que
ela possui de mais angustiante:
não saber qual foi o ponto de partida,
mas sempre chegar em um ponto final.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

refletir / reproduzir

Paro para refletir.
Não para continuar 
a reproduzir gestos, gentes e feitos.
Mas confesso: tem hora que dou uns passinhos
cheio de trejeitos...

À palavra

A palavra
quando se prova
nunca se basta.
Eu a rumino,
ela me engole.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

afta

Ao surgir sem permissão
Faz de um pequeno ponto,
Terreno minado.
Antes, gengiva. Agora, alvo.



Acróstico dedicado à minha afta.
Conquistou minha gengiva e não quer largá-la.

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

futilidade útil, utilidade inútil.

Nunca estudei a origem
das palavras fútil e inútil.
Mas se dentro delas
lemos algo de útil,
deve-se considerar
que em toda inutilidade
coexiste serventia.


segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

alguém e outrem

Ilustração de Luciano Tasso - http://ltasso.com.br/

Tenho amigos que buscam mulheres
como se fossem drogas,
ou talvez drogas vestidas de mulheres.

Não entendo as mulheres
travestidas em drogas,
nem os amigos viciados.

A questão não é voltada ao sexo feminino
(elas também consomem homens-drogas),
e nem uma crítica à sacanagem consciente.
Mas é a inconsequente malandragem,
de sair feito louco beijando boca,
tirando roupa e comendo bunda.

Só sei que tanto drogas,
quanto pessoas travestidas em,
transmitem doenças a outrem.

Como disse Tom Jobim:
"Sabe o que é melhor que ser bandalho ou galinha?
Amar. O amor é a verdadeira sacanagem."