bèrro sucinto via e-mail (feed):

quinta-feira, 27 de maio de 2010

Nós. Fulanos...



Fulano fez um cartaz. Fulano fez um cartaz para caridade. Fulano fez um cartaz para caridade pensando nas vítimas do terremoto. Fulano fez um cartaz para caridade pensando nas vítimas do terremoto no Haiti.

Fulano pesquisou fonte, cores, tipos de papel, tipos de impressão, local, equilíbrio das informações.

Fulano pesquisou a foto. Fulano pesquisou a foto no Google. Fulano pesquisou a foto no Google colocando crianças africanas no buscador. Igual a japônes. Igual a índio. Esses africanos são todos iguais.  

segunda-feira, 24 de maio de 2010



É tão estranho quanto interessante,
ser tão único e insignificante.
Sou grão de pó na poeira do infinito.

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Sharon Parideira

Brasil, ano 10, século XXI

Sharon Fernanda Pereira da Costa nunca gostou de estudar.
16 anos, pobre menina pobre, preferiu ir trabalhar.
Dizia "não quero ganhar pouca merda não", "quero ser dona do barro ao asfalto"
"e agora que o bolsa família baixou a idade vai ficar muito mais fácil,
crio filho como gado."

sharon-parideira.com
minha organização
sharon-parideira.com
do governo federal
sharon-parideira.com
assistência social

Sharon Fernanda, A Empreendedora, fundou seu sítio
na internet
"Procuro meninas jovens e saudáveis para ingressar na minha creche"
Cadastre-se já nos links parideira ou assistente
Para reproduzir ou cuidar
da reprodução da gente
Tem direto a passagem e alimentação

sharon-parideira.com
minha organização
sharon-parideira.com
do governo federal
sharon-parideira.com
assistência social

terça-feira, 11 de maio de 2010

Morte ao vício

Arreda-te de mim bicho peçonhento!
Ainda que tua insistência alcance meus pensamentos
rejeita-te o meu corpo,
em duelo com minha mente.

Na busca pelo equilíbrio... Ah o equilíbrio!
Todos somos
pobres que se rendem a teu falsificado salve
podre pedaço de carne
sem verbetes e sinônimos no meu dicionário.
Somente a ti declaro:
pena de morte.

quinta-feira, 6 de maio de 2010

Inércia

Pensar...
Desde quando o ar rompeu meus pulmões
E o meu corpo-máquina começou a funcionar,
coisa nenhuma penso mais
e nunca mais vou pensar.
Sou inércia e penso por ela.