bèrro sucinto via e-mail (feed):

sábado, 17 de setembro de 2011

Chão

Se tem uma coisa que não me cobra nada
é o chão.
Que eu piso e não fala de mim
nunca me arrumou confusão 
Acordo e ele está ali 
e eu nunca lhe peço perdão.
Se ajeita com o meu próprio jeito 
Não me larga de antemão 
Dou pulo e ele não me deixa 
E eu nunca lhe peço perdão 

Te amo, licença, bom dia,
não, chão. Eu nunca lhe peço perdão.
E ele a me manter de pé. 

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Dueto

Já reparou que o mais bonito de um dueto,
é quando ele parece um?
Às vezes me questiono se 1+1
resulta em 2.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Brecht ou quem adaptou

Assisti uma peça do Brecht
e não entendi nada durante 3 horas.
Minha prece era para que a peça
se apressasse.
Os infinitos diálogos, que não compreendi,
de tão profundos, me afogaram.
E a sala de teatro
mais me parecia
sala de tortura.


B                                                         b
  r                                                                    r
            e                                                                  o                                            
                       ch                                                        k
                             t                                                 e                                                                                                                                                 me.



Ou talvez tenha sido quem "adaptou" a peça, do qual não me recordo o nome.