bèrro sucinto via e-mail (feed):

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

E a Internet cria outros "eus" virtuais, reais, com vida e sem validade

Imortal

Lá não tem lei

E se precisa ter
Qual Deus que vem
E os mandamentos? Quais vão ser?

Quem é inocente
Se a norma não tem vez
A arma em suas mãos
Você ladrão juiz e rei

Como vou repensar
Se não sei como entrei
Eu sou a rede, o mar e o peixe que eu mesmo pesquei

Quem vai me dominar?
Não sou material
Sou corpo vivo de um mundo virtual

Eu sou imortal.

Nenhum comentário: