bèrro sucinto via e-mail (feed):

sexta-feira, 19 de fevereiro de 2010

Dois Poeminhas Com Meleca


Do nascimento a criação

Antes de nascer eu era um pó invisível aos olhos da poeira,
mas visível a natureza dela.
Criado com aglomerados de poeira, daqueles que vivem no chão.
Quando fui varrido me juntei com mais um monte de poeira.
Alguns me sujaram para o leviano,
outros para o compassivo.
Sou parte de dois, mas sou um.
Um aglomerado crescendo na poeira da vida,
e uma melequinha no nariz de Deus.



Meleca

Eu sou uma meleca!
Alto lá! Não sou qualquer meleca não!
Sou aquela retirada em segredo, no fim do dia.
E que você aproveita sozinho no canto do teu quarto
Que nem lembrança boa.

Nenhum comentário: